Se eu disser que essa escolha é muito pessoal, estarei sendo prolixa. Afinal de contas, cada pedacinho do planejamento do casamento é muito pessoal.

Muitas vezes, as atenções dos noivos ficam voltadas para a recepção do casamento. Mas, já parou pensar o quanto a cerimônia do casamento é importante?

A cerimônia possui muitos significados. Amor, união, consagração (no sentido de benção), família, o companheirismo… E podemos até dizer que é o juramento entre o casal sobre o esforço mútuo para cultivar o amor e o bem estar na vida de ambos.

A pessoa que vai celebrar um casamento não pode ser qualquer uma. É muito mais que personalizar um casamento. É o próprio rito do casamento.

No dia do casamento, tudo começa pela cerimônia do casamento. A maioria dos casais querem uma cerimônia significativa, envolvente, comovente, mas sem ser cansativa demais.

Quem vai casar fora da Igreja Católica ou de qualquer templo religioso, deve pensar sobre a escolha do celebrante da cerimônia do casamento.

Dicas para escolher celebrante

O primeiro passo de escolher um celebrante é pensar qual é o tipo de cerimônia que o casal quer. Uma cerimônia com o cunho mais religioso? Uma cerimônia com um pastor? Algo mais humanista? Algo que reflita alguma espiritualidade, mas sem ser algo religioso?

Há celebrantes de todos os tipos no mercado de casamento – desde aqueles fazem praticamente a cópia da cerimônia religiosa católica até aqueles que personalizam a cerimônia o máximo possível. Não há certo ou errado. Os noivos devem escolher aquilo que combina mais com eles.

Para o nosso casamento, por exemplo, pensamos em uma celebração mais democrática, que respeitasse a diversidade religiosa de nossas famílias, que contasse um pouco de nossa trajetória e que celebrasse o nosso amor.

Para celebrar o casamento

O segundo passo é pesquisar muito, receber indicações e encontrar um celebrante que se encaixe no seu sonho e no seu orçamento. Uma boa parte das noivas escolhem o celebrante a partir de outros casamentos que  foram e gostaram da celebração.

No meu caso especificamente, nunca tinha ido a nenhuma celebração do nosso celebrante. Mas, a internet está aí para nos ajudar e você consegue descobrir vídeos de celebrações, noivinhas que passaram por outras cerimônias.

Por fim, acho fundamental ter um “bate papo” com o celebrante em potencial. Os noivos devem se sentir confortáveis e seguros. Sabe aquela coisa de “rolar aquela empatia”?

Uma outra alternativa que tem ocorrido muito nos casamentos é pedir uma pessoa querida para o casal que faça a celebração. É uma maneira “alternativa” e amorosa de celebrar o amor do casal. Eu acho lindo quando vejo cerimônias desse tipo.

Esse é o tipo de fornecedor que não dá para deixar para o fim da organização do casamento. É marcar o lugar e já sair atrás do celebrante. Dependendo da cidade, pode ter um número muito limitado de celebrantes. Fique atento quanto a isso!

Não há “fórmulas prontas” para nada na vida. O post de hoje é, na verdade, apenas algumas sugestões para a definição do celebrante. Viva o amor!

Imagens:
1 – Britany Lauren Photography
2 – Hitch and Sparrow

Deixe um comentário

  • (não será divulgado)